fbpx
Cobertura de Terceiros: Cuidado ao orientar o segurado

A cobertura de RCF (Responsabilidade Civil Facultativa), também conhecida como a cobertura de terceiros, é tão importante quanto as que protegem o próprio veículo do segurado e merece grande atenção na venda do seguro de automóvel.

O que é RCF (Responsabilidade Civil Facultativa)

No seguro de automóvel as garantias de RCF são os danos materiais, danos corporais e danos morais. Para os corretores sem experiência de mercado é fundamental entender como estas coberturas funcionam para não haver dúvidas na hora da venda.

E não estou dizendo apenas sobre o que estas coberturas representam, mas também no comportamento que o segurado deve ter ao causar um dano à um terceiro.

Não vou entrar em detalhes o que cada cobertura cobre porque já de conhecimento (mesmo que superficial) da maioria das pessoas, principalmente para os corretores de seguros.

O cerne da questão aqui não é o significado e sim qual a postura que o corretor durante a venda e o segurado devem adotar quando, na visão do próprio segurado, for o causador do acidente.

Quais cuidados corretor e segurados devem tomar

Ao vender um seguro com cobertura de danos à terceiros jamais oriente o segurado a se colocar como culpado perante o terceiro, assumindo totalmente a culpa dizendo que a sua seguradora irá indenizá-lo.

Isso não significa que o segurado não deve prestar socorro quando houver vítimas, uma coisa não tem nada a ver com a outra.

Trata-se de prudencia perante uma situação em que a decisão de indenizar o terceiro não está em poder do segurado, mesmo sendo “evidente” para ele naquele momento.

Oriente o cliente a fazer o básico, sem assumir a responsabilidade, apenas a abrir o boletim de ocorrência relatando o que de fato ocorreu. Em situações que ele se julgar culpado, além do B.O. apenas peça para que o terceiro forneça os seus dados pessoais para que ele possa entrar em contato posteriomente.

Veja que não há uma recomendação para se julgar culpado perante o terceiro e sim para tomar as providências após o ocorrido.

Ao contrário disso pode acarretar na perda de cobertura securitária. E antes que você diga que a seguradora questiona na abertura do processo de sinistro se o segurado se julga culpado ou não, entenda o seguinte.

Uma coisa é o segurado se julgar culpado e responsável pelo evento perante a seguradora, outra coisa é fazer isso perante ao teceiro.

Apesar do exemplo ser no seguro de automóvel, saiba que a recomendação é válida para qualquer evento de responsabilidade civil, inclusive profissional.

O que diz o código de defesa do consumidor

No Artigo 787 da Lei nº 10.406 de 10 de Janeiro de 2002 diz o seguinte:

§2º É defeso ao segurado reconhecer sua responsabilidade ou confessar a ação, bem como transigir com o terceiro prejudicado, ou indenizá-lo diretamente, sem anuência expressa do segurador.

A palavra defeso significa que é proibido! Enquanto que transigir significa fazer uma transação, chegar a um acordo.

Gostei muito de uma publicação da Thabata Nadjek, especialista em seguros de RC, me inspirei nela e decidi criar este artigo para alertar meus colegas de mercado.

Sobre o Autor

Danilo Silva
Danilo Silva

Bacharel em Ciência da Computação pela IESI (Instituto de Ensino Superior de Itapira), Técnico em Administração pela ETEC João Belarmino, Consultor de SEO Local e Corretor de Seguros há mais de 10 anos.

Solicitar exportação de dados

Utilize este formulário para solicitar uma cópia dos seus dados neste site.

Solicitar remoção de dados

Utilize este formulário para solicitar a remoção dos seus dados neste site.

Solicitar retificação de dados

Utilize este formulário para solicitar a retificação dos seus dados neste site. Aqui você pode corrigir ou atualizar seus dados por exemplo.

Solicitar cancelamento de inscrição

Utilize este formulário para solicitar o cancelamento de inscrição do seu e-mail em nossas Listas de E-mail.